ASICAgregados artificais

O ASIC

Casos de estudo

eCO2block é vencedor do prémio Manuel António da Mota

O Prémio Manuel António da Mota foi criado em 2010 pela Fundação Manuel António da Mota com o objetivo de reconhecer anualmente organizações e personalidades que se destaquem nos vários domínios de atividade da Fundação.

Em 2018, na sua 9ª edição, o Prémio Manuel António da Mota procurou distinguir instituições que contribuam com os seus projetos para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e contou com a presença do Presidente da República, Dr. Marcelo Rebelo de Sousa. Na edição de 2018 o Prémio Manuel António da Mota, com tema "Portugal Sustentável", foi entregue ao projeto eCO2blocks, desenvolvido por membros da Universidade da Beira Interior - UBI, que propõem desenvolver produtos para construção civil com ASIC – Agregado Siderúrgico Inerte para Construção, reduzindo a utilização de recursos naturais.

O projeto eCO2blocks visa a produção de blocos de construção obtidos através da mistura de ASIC (Agregado Siderúrgico Inerte para Construção) com água não potável, que endurecem em 48 horas com elevada absorção de CO2 (dióxido de carbono), de excelente resistência mecânica e ao fogo. A tecnologia desenvolvida no UBI terá um enorme impacto na conservação do ambiente e potencial de aplicação a nível mundial, contribuindo para um mundo mais sustentável.

Na cerimónia, que no Centro de Congressos da Alfândega do Porto, esteve ainda presente o Engº Joaquim Carvalho, representante da Harsco Metals & Minerals em Portugal, reiterando a parceria e total apoio neste projeto.


Casos de Obra: Trecho Experimental na EN 111 Fafe–Várzea Cóvoa

Na sequência de se avaliar a viabilidade da aplicação do Agregado Siderúrgico Inerte para Construção (ASIC), em camadas de base, sub-base, de leito de pavimento e do corpo do aterro, efetuou-se o estudo laboratorial e requereu-se um estudo experimental de campo que permitisse a calibração dos resultado laboratoriais obtido e a avaliação do desempenho do material.

Após construção e experimentação do Trecho Experimental, seguiram-se campanhas de observação durante 2 anos e meio após a conclusão da sua construção, entre 2007 e 2010, que mostraram que o desempenho mecânico da estrutura do pavimento avaliado através de ensaios FWD é melhor nas secções com os materiais ASIC do que com os materiais tradicionais (saibro granítico e ABGE), corroborando assim, tanto os resultados obtidos em laboratório como os resultados obtidos aquando do controlo da qualidade de construção do trecho experimental.

Concluindo, o ASIC demonstrou um excelente comportamento ao ser utilizado ao nível de camadas de base, sub-base, leito de pavimento e corpo de aterro, em substituição dos materiais naturais, não renováveis, que vêm sendo aplicados.

Linha ferroviária da Siderurgia do Seixal - Somague, SA


O ASIC foi utilizado numa linha ferroviária na Siderurgia do Seixal, em Portugal. Foi seleccionado por ser um material resistente e de grande durabilidade, beneficiando de um reduzido custo de transporte. A granulometria usada foi de 0/40mm e também algum material adicional de 40/250mm.

A linha ferroviária foi construída para fazer a ligação entre a Siderurgia e a linha principal do Seixal, em Portugal.

O ASIC foi usado como Sub-Base e em seguida coberta por um agregado natural.



Estádio do Bessa Século XXI - Global Stadium-ACA


Em finais de 2009 a Global Stadium empresa responsável pela colocação do relvado sintético no Estádio do Boavista procurou no mercado um material que permitisse uma drenagem eficiente.

O material utilizado foi o ASIC pois tem baixa absorção de água, permitindo a drenagem eficiente do campo. Após a análise das amostras e testes suplementares, o ASIC foi aplicado em camadas de base e sub-base e o sintético foi colocada no topo.

O projecto exigiu 10.000 toneladas de ASIC, incluindo o estádio principal e dois campos de treinos.




CASO ESTUDADO - UK


Quando Nottingham County Council (UK) estava à procura de um material de superfície resistente para a movimentada A610 que efectua a ligação à cidade, o ASIC foi seleccionado como o material adequado face às condições de tráfico locais.

O ASIC foi seleccionado para a A610 em Nottingham, UK.

O ASIC é um material único, desenvolvido para aplicações de superfícies resistentes. Foi concebido para resistir a deformações causadas por cargas pesadas de veículos especiais usados no transporte de aço. É também eficaz na manutenção da estabilidade da superfície, sob o movimento lento de tracção dos pneus de veículos pesados.

Outras indústrias pesadas tais como do carvão, electricidade, portos e fabrico de açúcar, também usam o ASIC.

Também é eficaz a manter a estabilidade da superfície em locais de elevada trepidação, tais como intersecções de estradas.



CASE STUDY / Canadá


A auto-estrada 138 é uma das mais antigas no Canadá, ligando o Quebec a Montereal. A média anual de tráfego é de 157 000 veículos por dia, fazendo desta a estrada com o maior tráfego de Montereal. O Instituto das Estradas escolheu o ASIC para ser usado na sua construção. Foi seleccionada pela sua excepcional durabilidade como agregado e pela resistência à derrapagem.